Revista de Estudos Criminais

Capitalismo, punição e prisão – interfaces possíveis sob a óptica foucaultiana

João Carlos Carvalho da Silva.

Resumo: A prática punitiva dos Estados Absolutistas era notadamente assentada na pena de morte e em penas cruéis. O soberano não se vinculava a limites jurídicos e nem os súditos possuíam garantias processuais. Esta situação levou a mudanças no âmbito penal, havendo a preocupação de construir uma teoria racional da punição, tarefa esta realizada por diversos pensadores iluministas da época. Todavia, o projeto liberal foi prontamente descartado pelas gerações futuras, uma vez que não respondia satisfatoriamente aos novos padrões morais da sociedade do século dezenove. Nesse novo cenário, a prisão enquanto instrumento de punição alocou-se no centro do repertório punitivo, consistindo no reflexo dos valores ligados à mentalidade burguesa.

Palavras-chave: Controle social; prisão; capitalismo.

v.9, n.32, p.111-122