Revista de Estudos Criminais

Fazendo arte na rua: o movimento graffiti na Grande Vitória/ES

Thayla Fernandes da Conceição e André Filipe Pereira Reid dos Santos.

Resumo: O movimento graffiti tem sido reconhecido mundialmente por seu perfil atrevido de denúncia e de enfrentamento aos poderes e à moral hegemônicos. Por este motivo, e pelo modo como se realiza nas ruas – de forma sorrateira e não autorizada –, é taxado de conduta delituosa, sendo os atores sociais envolvidos em sua produção tidos como marginais tanto ao campo da arte quanto ao da política. Na Grande Vitória/ES houve um aumento visível das manifestações de graffiti nos últimos anos e assim surgiu o incômodo que move esta pesquisa. Nosso objetivo central aqui é analisar a construção da identidade do movimento graffiti nesta região a partir de sua relação com as noções de legalidade e legitimidade. Em termos metodológicos, realizamos um estudo etnográfico movido por observação participante, entrevistas com alguns membros do movimento e fotografias. Como principais resultados, entendemos que, para os artistas desta localidade, não se diferem graffiti e pixo, e também que a ilegalidade – ou a construção de novas noções de legalidade – é parte essencial da identidade deste movimento.

Palavras-chave: Pixação; graffiti; ilegalidade; legitimidade; identidade.

Abstract: The graffiti movement is recognized worldwide as an opposition to the established moral and political powers. Because of it and because of the way it is constructed on the urban space – in nonauthorized way – it is considered a crime and those who are responsible for it are considered as marginals in the art field and also in the political field. In the Grande Vitória/ES region there was a noticeable increase of graffiti manifestations and that was how the nuisance that that drives this research was born. Our main goal here is to analyze the construction of the identity of this local graffiti movement and its relation to the notion of legality and legitimacy. In methodological terms, we did an ethnographic study driven by participant observation, interviews with some members of the local movement and photographs. As main results, we understood that, for the local artists, there is no difference between graffiti and pixo, and also that this illegality – or the construction of new paradigms of legality – is an essential part of the movement.

Keywords: Pixo; graffiti; illegality; legitimacy; identity.

v.11, n.51, p.143-168